QUARESMA DE FÉ — QUARTA-FEIRA DE CINZAS


Joel 2, 12-18

Diz agora o Senhor: «Convertei-vos a Mim de todo o coração, com jejuns, lágrimas e lamentações. Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos. Convertei-vos ao Senhor, vosso Deus, porque Ele é clemente e compassivo, paciente e misericordioso, pronto a desistir dos castigos que promete. Quem sabe se Ele não vai reconsiderar e desistir deles, deixando atrás de Si uma bênção, para oferenda e libação ao Senhor, vosso Deus? Tocai a trombeta em Sião, ordenai um jejum, proclamai uma reunião sagrada. Reuni o povo, convocai a assembleia, congregai os anciãos, reuni os jovens e as crianças. Saia o esposo do seu aposento e a esposa do seu tálamo. Entre o vestíbulo e o altar, chorem os sacerdotes, ministros do Senhor, dizendo: ‘Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo e não entregueis a vossa herança à ignomínia e ao escárnio das nações. Porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?’». O Senhor encheu-Se de zelo pela sua terra e teve compaixão do seu povo.



Convertei-vos a Mim de todo o coração


O profeta chama a uma «conversão possível». A nossa fé não é num Deus justiceiro, mas num Deus «clemente e compassivo, paciente e misericordioso». O crente espera sempre uma nova «vinda de Deus», cheia de bênçãos.
A fé no perdão de Deus torna-se caminho de conversão e súplica de perdão. O Senhor convoca a todos (todos temos necessidade do seu perdão). E confia uma petição de perdão, feita pelos sacerdotes em nome do povo: «Perdoai, Senhor, perdoai ao vosso povo». O perdão de Deus é apresentado como um sinal da fé israelita diante das nações. Deus existe, porque Deus perdoa. E perdoa, por um amor «zeloso»: não quer deixar mal o seu Povo diante das nações.


Sinais para o caminho de fé


  • Ajuda para a mudança da nossa «imagem de Deus». O ambiente religioso que nos rodeia leva-nos a viver «asfixiados» sob a ameaça dum Deus justiceiro e vingativo. Não é essa a imagem do Deus de Jesus de Nazaré..., como tampouco era a imagem de Deus que tinham os profetas.

  • É sempre possível a mudança. A conversão é uma «mudança de direção», quando se descobre que se tinha equivocado na meta. Do coração sai uma sincera petição de perdão e, de novo, começa-se o caminho. Jesus dirá dele mesmo: «não vim chamar os justos, mas os pecadores». Não é verdade que o perdão de Deus seja uma «licença para pecar»... O caminho da fé descobre que é uma «exigência para mais amar».

  • O pecado faz-nos solidários com todos...; o perdão, recebido e vivido, converte-se numa força de atração para quem quer experimentar a sua própria libertação.
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2015
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor



  • QUARESMA DE FÉ: Mateus 6, 1-6.16-18 > > >



Pedro Jaramillo – Laboratório da fé, 2014


Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 18.2.15 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários