REZAR O DOMINGO VIGÉSIMO SEXTO

28 DE SETEMBRO DE 2014


Evangelho segundo Mateus 21, 28-32

Naquele tempo, disse Jesus aos príncipes dos sacerdotes e aos anciãos do povo: «Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Foi ter com o primeiro e disse-lhe: ‘Filho, vai hoje trabalhar na vinha’. Mas ele respondeu-lhe: ‘Não quero’. Depois, porém, arrependeu-se e foi. O homem dirigiu-se ao segundo filho e falou-lhe do mesmo modo. Ele respondeu: ‘Eu vou, Senhor’. Mas de facto não foi. Qual dos dois fez a vontade ao pai?». Eles responderam-Lhe: «O primeiro». Jesus disse-lhes: «Em verdade vos digo: Os publicanos e as mulheres de má vida irão diante de vós para o reino de Deus. João Baptista veio até vós, ensinando-vos o caminho da justiça, e não acreditastes nele; mas os publicanos e as mulheres de má vida acreditaram. E vós, que bem o vistes, não vos arrependestes, acreditando nele».



Segunda, 22: OS PRÍNCIPES DOS SACERDOTES

Os príncipes dos sacerdotes são os responsáveis religiosos daquele tempo. Agora, pensemos num lugar de responsabilidade, como provavelmente já aconteceu alguma vez na vida: escola, equipa, família, serviço... No evangelho, descobrimos que os publicanos e as prostitutas precederão no Reino todos os responsáveis do mundo! No início deste dia, coloco-me diante do meu Criador e Senhor, durante alguns minutos de oração, para assim estar preparado para levar um olhar amoroso a cada pessoa, qualquer que seja a sua função, qualquer que seja a sua riqueza... Cada pessoa tem valor aos olhos de Deus.



Terça, 23: OS ANCIÃOS

Quando uma geração questiona a nossa situação, descobrimos que a experiência da vida é uma sabedoria e um saber a partilhar. Percebemos, também, que não é fácil, durante o crescimento, ser sempre o «mais pequeno» de todos. Mas Jesus diz-nos sem rodeios que «o que escondeu aos sábios e aos inteligentes foi revelado aos mais pequenos». No início deste dia, coloco-me diante do meu Criador e Senhor, durante alguns minutos de reflexão sobre a minha idade, para permanecer pequeno segundo o coração de Deus, ainda que aumente a idade.



Quarta, 24: O SERVIÇO

Quer se esteja do lado dos grandes, dos pequenos, dos sábios, dos sensatos ou mais do lado daqueles que ainda não tiveram experiência de vida para assumir quaisquer responsabilidades, somos todos interpelados por esta Palavra de Deus. O convite é o mesmo para todos, uma vez que se trata de mudar o nosso coração, caso tenha a tentação de dominar, condenar, julgar. No início deste dia, coloco-me diante do meu Criador e Senhor, durante alguns minutos de encontro íntimo, para me preparar a viver hoje o mais pequeno poder que se me apresente como um serviço.



Quinta, 25: O PRIMEIRO FILHO

Reparemos, agora, no primeiro filho: com um pouco de arrogância juvenil, enfrenta o Pai ao recusar participar na tarefa que lhe é pedida. Mas, depois, aparece arrependido e muda de decisão para, por fim, fazer tranquilamente o que lhe tinha sido pedido e, em certo sentido, recuperar o seu lugar de filho. Bem sabemos que nunca é tarde para fazer o bem! No início deste dia, coloca-me diante do meu Criador e Senhor, durante alguns minutos de diálogo, para perceber o que me pede, hoje...



Sexta, 26: O SEGUNDO FILHO

Reparemos no segundo filho da parábola, cheio de confiança, que se compromete de qualquer maneira numa palavra que não confirma. Vemo-lo deixar rapidamente o caminho da sua promessa, para responder a outras solicitações, provavelmente mais gratificantes. Será que isto nos lembra experiências já vividas? No início deste dia, coloco-me diante do meu Criador e Senhor, para lhe pedir perdão pelas minhas faltas de constância no seu serviço, quando prefiro trabalhar por minha conta e nos meus assuntos.



Sábado, 27: O SIM DO OUVINTE

Vai hoje trabalhar na vinha! Este convite aplica-se bem à nossa vida quotidiana. Há muito a fazer numa vinha, muito a fazer durante o dia, no trabalho, na família, na Igreja, no mundo. Deus convida-nos a trabalhar na sua vinha, através da realidade e da atualidade da nossa existência tal como ela é. No início deste dia, coloco-me na presença do meu Criador e Senhor a escutar a sua Palavra, para lhe dizer o meu sim ao seu serviço. Que todas as minhas ações, as minhas palavras, as minhas decisões sejam verdadeiramente para a sua maior glória.



Domingo, 28: O SIM DO CRENTE

Esta história dos dois filhos que escutamos ao longo da semana coloca-nos perante uma escolha fundamental: por ou contra Cristo. Essa escolha, que é uma escolha da fé, dá forma a toda a nossa vida. Se somos crentes, se pomos os nossos passos em sintonia com Cristo, tudo o que fazemos, tudo o que dizemos, tudo o que vivemos tem necessariamente a ver com a vinha do Senhor. Os nossos muitos «sim» ou «não» são partes que esclarecem o «sim» do crente que nós somos: confirmam-no ou negam-no... É a vida! No início deste dia, coloco-me na presença do meu Criador e Senhor, peço-lhe a graça do «sim» dado pela fé!



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2014

Rezar o domingo vigésimo sexto (Ano A), no Laboratório da fé, 2014

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 23.9.14 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários