REZAR O DOMINGO VIGÉSIMO QUINTO

21 DE SETEMBRO DE 2014


Evangelho segundo Mateus 20, 1-16a

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos a seguinte parábola: «O reino dos Céus pode comparar-se a um proprietário, que saiu muito cedo a contratar trabalhadores para a sua vinha. Ajustou com eles um denário por dia e mandou-os para a sua vinha. Saiu a meia-manhã, viu outros que estavam na praça ociosos e disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha e dar-vos-ei o que for justo’. E eles foram. Voltou a sair, por volta do meio-dia e pelas três horas da tarde, e fez o mesmo. Saindo ao cair da tarde, encontrou ainda outros que estavam parados e disse-lhes: ‘Porque ficais aqui todo o dia sem trabalhar?’. Eles responderam-lhe: ‘Ninguém nos contratou’. Ele disse-lhes: ‘Ide vós também para a minha vinha’. Ao anoitecer, o dono da vinha disse ao capataz: «Chama os trabalhadores e paga-lhes o salário, a começar pelos últimos e a acabar nos primeiros’. Vieram os do entardecer e receberam um denário cada um. Quando vieram os primeiros, julgaram que iam receber mais, mas receberam também um denário cada um. Depois de o terem recebido, começaram a murmurar contra o proprietário, dizen­do: ‘Estes últimos trabalharam só uma hora e deste-lhes a mesma paga que a nós, que suportámos o peso do dia e o calor’. Mas o proprietário respondeu a um deles: ‘Amigo, em nada te prejudico. Não foi um denário que ajustaste comigo? Leva o que é teu e segue o teu caminho. Eu quero dar a este último tanto como a ti. Não me será permitido fazer o que quero do que é meu? Ou serão maus os teus olhos porque eu sou bom?’. Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos».



Segunda, 15: IMAGENS DE DEUS

Para nos falar daquele que o enviou ou do Reino dos Céus, Jesus usa normalmente as parábolas. De vez em quando, usa a imagem do vinhateiro, do semeador, do rei em viagem ou do pai misericordioso. Desta vez, Deus é apresentado como o dono de uma propriedade que sai de manhã cedo para contratar trabalhadores. Que parábola ou que imagem de Deus utilizada por Jesus me chama a atenção nestes dias? E porquê?



Terça, 16: DEUS CONTRATA [1]

Deus é também como um proprietário que contrata e que vai ao encontro daqueles que estão à espera de trabalho. Que alegria, ao ouvir dizer: «Ide vós também para a minha vinha»! Dedico algum tempo a contemplar este proprietário, que não hesita a voltar várias vezes à praça. Dou graças por este Deus bom e perseverante na busca de trabalhadores para a sua vinha.



Quarta, 17: DEUS CONTRATA [2]

Em tempo de crise e de desemprego, esta imagem dum Deus que contrata assume um sentido especial. Penso em todos aqueles e aquelas que procuram trabalho, assim como naqueles e naquelas que querem contratar. Rezo por todos os que se encontram nessas situações, os que conheço e também os que não conheço.



Quinta, 18: O QUE É JUSTO

Esta parábola surpreende-nos ou pode até chocar-nos. Aos homens contratados no início do dia, tal como aos outros convidados durante o dia, o proprietário promete dar o que é justo. O que é justo? Nem todos realizaram o mesmo trabalho, mas todos receberam o mesmo salário. Reflito sobre o que é isto diz sobre o dom de Deus para todos, independentemente dos esforços e «méritos» de cada um.



Sexta, 19: DISTRIBUIÇÃO CURIOSA

O fim do dia é dramático. Com efeito, a alegria de todos serem «justamente» recompensados — para terem capacidade de sustentar as próprias famílias — desaparece perante o sentimento de injustiça expresso pelos primeiros trabalhadores. Como se o que alguns receberam restabelecesse o lhes era devido «de pleno direito». Procuro entender a minha dificuldade em acolher a lógica do Reino, bem diferente da lógica habitual.



Sábado, 20: PATRÃO GRACIOSO

O dono da vinha defende-se: «Não me será permitido fazer o que quero do que é meu?». E Jesus acrescenta: «Assim, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos». Peço a graça de pôr em causa as minhas imagens de Deus e a minha maneira de olhar aqueles que são considerados os últimos.



Domingo, 21: DEUS À PROCURA DE COLABORADORES

No início do dia, o dono da vinha sai para contratar trabalhadores. Como é bela esta imagem dum Deus que desde as primeiras horas do dia se põe à nossa procura e que, no final do dia, tem prazer em dar muito a todos. Bem diferente dum Deus solitário no céu, avaro nas suas pregorrativas e «contabilizador» dos nossos méritos. Em Jesus, estamos face a um Deus que desordena os nossos hábitos e que decide ter necessidade de trabalhadores para a sua vinha, isto é, colaboradores para a missão. Como é que nos sentimos envolvidos nos seus projetos? Sinto que sou chamado a fazer o quê, hoje? Peço a graça de se sentir contratado por Deus, seja qual for o meu estado de vida ou os meus talentos.



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2014

Rezar o domingo vigésimo quinto (Ano A), no Laboratório da fé, 2014

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 15.9.14 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários