PREPARAR O DOMINGO VIGÉSIMO TERCEIRO

7 DE SETEMBRO DE 2014


Ezequiel 33, 7-9

Eis o que diz o Senhor: «Filho do homem, coloquei-te como sentinela na casa de Israel. Quando ouvires a palavra da minha boca, deves avisá-los da minha parte. Sempre que Eu disser ao ímpio: ‘Ímpio, hás de morrer’, e tu não falares ao ímpio para o afastar do seu caminho, o ímpio morrerá por causa da sua iniquidade, mas Eu pedir-te-ei contas da sua morte. Se tu, porém, avisares o ímpio, para que se converta do seu caminho, e ele não se converter, morrerá nos seus pecados, mas tu salvarás a tua vida».



Coloquei-te como sentinela


O texto no seu contexto
. Ezequiel viveu em dois momentos cruciais da história de Israel, que desembocam de forma natural em duas etapas da sua pregação. A primeira etapa, marcada pela iminente destruição de Jerusalém, é um convite à conversão do povo, esperando que a mudança radical de atitude vá acompanhada por uma alteração na história. A segunda etapa, partilhando a vida dos desterrados, é um convite a ter esperança; já não serve «queixar-se» de que todos sofrem pelos pecados dos outros. Cada um é responsável pela sua história e suas consequências. O profeta sente-se chamado por Deus a ser «sentinela», «vigia» desta nova situação. Da mesma forma que uma sentinela, na muralha, tem o encargo de avisar se há um perigo iminente, assim o profeta é a sentinela que adverte o povo sobre um comportamento transviado ou perigoso que o leva à destruição.

O texto na história da salvação. Estamos num momento crucial no desenvolvimento moral da teologia bíblica. Este texto é testemunha duma mudança que supõe a atribuição das desgraças do povo a uma «culpa coletiva», como se de um destino fatal se tratasse, acima da responsabilidade individual. Cada um é responsável pelos seus atos. Isto não invalida o olhar atento do profeta, tornando inútil a sua missão, mas dá-lhe um novo carácter: é o responsável por projetar um olhar lúcido e de ter uma voz potente e clara que avise, sobretudo os incautos e menos perspicazes, sobre o perigo que se avizinha.

Palavra de Deus para nós: sentido e celebração litúrgica. Em cada grupo humano há pessoas perspicazes, cum uma «inteligência natural», que os faz ver com clareza as situações presentes e futuras. Os profetas são estes homens «clarividentes» que têm que abrir os olhos das pessoas cegas e obstinadas no seu erro. Missão de outrora e de sempre.

© Pedro Fraile Yécora, Homiletica
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2014
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor

Preparar o domingo vigésimo terceiro (Ano A), no Laboratório da fé, 2014

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 5.9.14 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários