PREPARAR O DOMINGO VIGÉSIMO SEGUNDO

31 DE AGOSTO DE 2014


Jeremias 20, 7-9

Vós me seduzistes, Senhor, e eu deixei-me seduzir; Vós me do­minastes e vencestes. Em todo o tempo sou objecto de escárnio, toda a gente se ri de mim; porque sempre que falo é para gritar e proclamar: «Violência e ruína!». E a palavra do Senhor tornou-se para mim ocasião permanente de insultos e zombarias. Então eu disse: «Não voltarei a falar n’Ele, não falarei mais em seu nome». Mas havia no meu coração um fogo ardente, comprimido dentro dos meus ossos. Procurava contê-lo, mas não podia.



Havia no meu coração um fogo ardente


O texto no seu contexto
. O profeta Jeremias acrescenta aos oráculos contra as nações ou contra os grupos humanos que manipulam a palavra de Deus ao seu belo prazer, uma exposição da sua intimidade. Uma das grandes atrações deste profeta é o facto de pôr por escrito, na primeira pessoa, as suas lutas com Deus. São bem conhecidas as chamadas «confissões» de Jeremias. O texto proposto para primeira leitura do vigésimo segundo domingo (Ano A) pertence à quinta (Jeremias 20 7-18), sem dúvida a mais dura se a lermos na totalidade (especialmente os versículos 14 a 18). O texto litúrgico apenas propõe o início da confissão. É a experiência de um homem que vive a vocação com tensão («Vós me seduzistes»), com luta interna («Vós me dominastes»), perante a qual cede finalmente («vencestes»). É curioso ver como não se vangloria da sua condição de anunciador da palavra divina; pelo contrário, ela é motivo de escárnio, insultos e zombarias.

O texto na história da salvação. Jeremias não é um «profissional» da Palavra de Deus, no seu sentido pejorativo, não faz dela o seu ofício nem a sua fonte de rendimentos. A própria fragilidade do profeta faz com que tenha a tentação de abandonar a sua missão, de ceder. Mas — e esta frase ultrapassa os limites da temporalidade — a palavra de Deus é «fogo ardente, comprimido dentro dos meus ossos», que não se pode conter. Desta forma, a voz profética atravessa toda a história da salvação.

Palavra de Deus para nós: sentido e celebração litúrgica. A palavra de Deus não vem pela carne (herança, entendimento), mas pelo dom de Deus (fogo abrasador e incontrolável). A experiência profética não se vende nem se compra, é um presente de Deus ao seu eleito.

© Pedro Fraile Yécora, Homiletica
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2014
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor

Preparar o domingo vigésimo segundo (Ano A), no Laboratório da fé, 2014

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 28.8.14 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários