Mistério da fé! [34]


«Desde as origens, o ministério ordenado fui conferido e exercido em três graus: o dos bispos, o dos presbíteros e o dos diáconos» (Catecismo da Igreja Católica [CIC], 1593). Neste tema, vamos explicitar cada um dos «graus» do Sacramento da Ordem: bispo (episcopado), presbítero (presbiterado) e diácono (diaconado). [Para ajudar a compreender melhor, ler: Tito 1, 5-9; Catecismo da Igreja Católica, números 1554 a 1571]

«Colocares presbíteros em cada cidade»

— escreve Paulo na Carta a Tito, ao referir a necessidade de organizar as comunidades. Nos primeiros anos, «parece não existir ainda uma distinção clara entre as ordens de ministério» (Bíblia Sagrada, Nota ao versículo 5 da Carta a Tito, Difusora Bíblica, 1966). Mas as referências que surgem em vários textos do Novo Testamento permitem delinear as bases do que serão os três «graus» do Sacramento da Ordem.

Bispos

«A palavra ‘bispo’ vem do grego, ‘epi’ (sobre), e ‘skopos’, ‘skopein’ (vigiar, inspecionar): significaria, portanto, etimologicamente, guardião, inspetor. Nas primeiras comunidades paulinas, são assim denominados, quer Timóteo quer Tito (cf. 1Timóteo 3, 1-7; Tito 1, 7-9). Os bispos, sucessores dos Apóstolos, foram constituídos como princípios de fé e unidade na comunidade diocesana, como sacramentos visíveis da presença de Jesus Cristo no meio do seu povo» (José Aldazábal, «Dicionário Elementar de Liturgia» [DEL], ed. Paulinas, Prior Velho, 2007, 54). A Constituição Dogmática sobre a Igreja («Lumen Gentium» [LG]), dedica o terceiro capítulo ao Sacramento da Ordem, tendo por base a figura do bispo. Este é apresentado como «sucessor dos Apóstolos» (LG 20) para ensinar (LG 25), santificar (LG 26) e governar (LG 27). A ordenação episcopal é a «plenitude do Sacramento da Ordem» (LG 21).

Presbíteros

«‘Presbítero’ vem do grego, ‘presbyter’, que significa ‘ancião’, e se relaciona com o nome dado, pelos primeiros cristãos, aos encarregados da comunidade. Os presbíteros são ordenados como colaboradores dos bispos» (DEL 237-238). As comunidades cristãs («Igrejas») eram constituídas por pequenos grupos, núcleos familiares, que se reuniam nas próprias casas para celebrar a «fração do pão» (eucaristia). «No século II, surgiu uma estrutura ministerial em que um ‘episkopos’ ou supervisor era ordenado para servir como líder de cada comunidade e para presidir à sua vida de oração. Era assistido por presbíteros ou anciãos, e por diáconos. Quando o Cristianismo passou a ser a religião oficial do Império Romano, tudo isto mudou, necessariamente. As comunidades cristãs passaram a ser maiores, sendo organizadas à escala dos territórios do império: em dioceses, regiões metropolitanas e províncias. Já não era possível ao ‘episkopos’, ou bispo, reunir todos os cristãos da Igreja local debaixo do mesmo teto para uma única celebração, nem sequer na basílica local, o maior edifício público disponível. Em breve tampouco lhe era possível visitar todas as comunidades da sua diocese. Em vez disso, delegava presbíteros para celebrar os sacramentos, como seus representantes, nas paróquias recém-organizadas» (Catherine E. Clifford e Richard R. Gaillardetz, «As ‘chaves’ do Concílio», Paulinas Editora, Prior Velho, 2012, 179-180).

Diáconos

«Em grego, significa ‘servidor’. [...] Nos textos do Novo Testamento e dos primeiros séculos já são mencionados os diáconos, entre os pastores da comunidade cristã, colaborando com os bispos e presbíteros. [...] O II Concílio do Vaticano restabeleceu o diaconado ‘como grau próprio ou permanente’, no ministério eclesial, distinto do que se recebe como primeiro degrau para o sacerdócio. O diaconado permanente, que se tinha perdido por volta do século IX, e que agora se restabeleceu, podem-no receber também os casados. [...] Os campos do serviço diaconal, na comunidade cristã: a) a liturgia, na qual assistem ao presbítero ou ao bispo na proclamação do Evangelho, na distribuição da Eucaristia e na direção da oração comunitária; podem presidir ao sacramento do Batismo e assistir e abençoar o Matrimónio; b) a Palavra, que proclamam e às vezes comentam na homilia, sendo também os coordenadores da catequese e da evangelização; c) a caridade, cuidando da beneficência e da administração comunitária» (DEL 97-98).

«O bispo, o presbítero e o diácono devem apascentar a grei do Senhor com amor. Se não o fizerem com amor é inútil. E neste sentido, os ministros que são escolhidos e consagrados para este serviço prolongam no tempo a presença de Jesus, se o fizerem com o poder do Espírito Santo, em nome de Deus e com amor» (Francisco, Audiência Geral de 26 de março de 2014).






Reflexões semanais sobre a «fé celebrada» (liturgia e Sacramentos) — Laboratório da fé, 2014
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 5.6.14 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários