REZAR O DOMINGO TRIGÉSIMO TERCEIRO

17 DE NOVEMBRO DE 2013


Evangelho segundo Lucas 21, 5-19

Naquele tempo, comentavam alguns que o templo estava ornado com belas pedras e piedosas ofertas. Jesus disse-lhes: «Dias virão em que, de tudo o que estais a ver, não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído». Eles perguntaram-Lhe: «Mestre, quando sucederá isto? Que sinal haverá de que está para acontecer?». Jesus respondeu: «Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis: é preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim». Disse-lhes ainda: «Há de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. Haverá grandes terramotos e, em diversos lugares, fomes e epidemias. Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu. Mas antes de tudo isto, deitar-vos-ão as mãos e hão de perseguir-vos, entregando-vos às sinagogas e às prisões, conduzindo-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome. Assim tereis ocasião de dar testemunho. Tende presente em vossos corações que não deveis preparar a vossa defesa. Eu vos darei língua e sabedoria a que nenhum dos vossos adversários poderá resistir ou contradizer. Sereis entregues até pelos vossos pais, irmãos, parentes e amigos. Causarão a morte a alguns de vós e todos vos odiarão por causa do meu nome; mas nenhum cabelo da vossa cabeça se perderá. Pela vossa perseverança salvareis as vossas almas».



Segunda, 11: ELE CUIDA DE NÓS

Lucas, Marcos e Mateus relatam os anúncios do fim do mundo que lemos em cada ano durante o mês de novembro. Pretendiam encorajar os cristãos que enfrentam as primeiras perseguições. O Senhor, através dos tempos, cuida dos seus discípulos perseguidos. Atrevo-me a deixar que a Palavra tome conta de mim, mesmo quando me coloca em apuros?



Terça, 12: O FIM DO MUNDO

Hoje, estamos menos habituados do que no tempo de Jesus a falar do fim do mundo. Mas posso levar a sério esta ideia... Sim, o mundo é de Deus; e pode entrar em colapso, sem que para isso tudo tenha de terminar. Na verdade, Jesus, com as últimas palavras deste evangelho, promete-nos a vida. Atrevo-me a encarar esta hipótese, não para me desinteressar do mundo, mas para sentir o quanto estou unido a Deus e que aí reside a confiança e a vida?



Quarta, 13: AÍ, NAS CATÁSTROFES

Neste anúncio, nada é poupado: fome, perseguições e terramotos... No entanto, há uma boa nova: Jesus assume a dificuldade que nos pode levar a sonhar com um mundo sem sofrimento ou então a censurarmo-nos por acreditar num Deus bom num mundo dilacerado pelo mal. Atrevo-me a enfrentar com ele com as provações que me crucificam na atualidade?



Quinta, 14: O DESCONHECIDO

Alguns discípulos contemplavam o Templo: a sua beleza e a generosidade das ofertas. «Tudo será destruído» — retorquiu-lhes Jesus. Eles bem querem saber quando e como isso vai acontecer! Também eu gostaria de saber o que me vai acontecer ou como é que a Igreja vai atravessar as dificuldades atuais. Atrevo-me a renunciar à curiosidade em saber o quando e o como?



Sexta, 15: É PRECISO QUE ESTAS COISAS ACONTEÇAM

Jesus afirma que «é preciso» que essas coisas más aconteçam. Mas também diz: «não vos alarmeis». Atrevo-me a perguntar-lhe porque é que tem de acontecer isto e também a confiar-lhe as minhas incompreensões?



Sábado, 16: NAÇÃO CONTRA NAÇÃO

Os confrontos entre as nações também não vão faltar. Este evangelho pode ser um convite a interessar-me por essas situações, a ler um artigo no jornal ou na internet para entender melhor a complexidade deste tema. Mas, acima de tudo, atrevo-me a acreditar incansavelmente na paz e a realizar gestos concretos em seu favor, como, por exemplo, a rezar pela paz?



Domingo, 17: EU VOS DAREI SABEDORIA

Com um discurso tão apocalíptico e assustador, Jesus não pretende levar os discípulos a entrar em pânico. É exatamente o oposto. Anunciar as perseguições aos cristãos, as guerras entre as nações, as divisões nas famílias, não se trata de um «furo jornalístico». As nossa história e o nosso quotidiano estão cheias destes casos. No entanto, anunciar que não nos devemos assustar nem exagerar, acreditar que o próprio Jesus nos inspirará uma língua e sabedoria que derrotarão os adversários, isso sim é desconcertante! Este domingo, na eucaristia, atrever-nos-emos a encher-nos de sabedoria para ter sempre a perseverança necessária? E a vida ser-nos-á dada, a vida já nos foi dada.



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Rezar o domingo trigésimo terceiro (Ano C), no Laboratório da fé, 2013
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 11.11.13 | comentários
1 comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários