CELEBRAR O DOMINGO TRIGÉSIMO PRIMEIRO

UMA LITURGIA SIMPLES E BELA

Neste (novo) ano pastoral dedicado à temática da fé celebrada, iniciamos a publicação desta rubrica «CELEBRAR O DOMINGO». Apresentamos algumas sugestões para concretizar o fruto esperado deste ano pastoral: «uma liturgia simples e bela, sinal da comunhão entre Deus e os seres humanos».



Deus é misericordioso

A misericórdia divina está no centro da Liturgia da Palavra. Mas nada de «pieguice» nesta misericórdia. Ao contrário, é a total revelação do seu próprio Ser, da sua bondade, da sua compaixão. O Senhor tem misericórdia de todos os seres humanos, porque os ama — diz o livro da Sabedoria. E, perante Zaqueu, é esta mesma benevolência que Jesus Cristo incarna: nada de condenação, «o Senhor é clemente e compassivo», a ponto de tocar o coração de Zaqueu e levá-lo à conversão. Sim, salvos por Cristo, somos também chamados a fazer o bem, para que, em nós, Deus seja glorificado.



Arte de celebrar

O Missal propõe quatro fórmulas para o momento penitencial. A segunda («Tende compaixão»...), mais breve, é pouco utilizada. A quarta (aspersão) é mais frequente no tempo de Páscoa (mas não exclusiva desse tempo). A primeira e a terceira são as mais comuns, utilizadas com mais frequência quer nos dias de semana quer ao domingo. Porque não estar atento às possibilidades propostas pelo Missal e usá-las de acordo com a temática própria de cada domingo? Outro aspeto a ter em conta é a utilização correta de cada uma das fórmulas. No casa do primeiro, por exemplo, as aclamações cristológicas («Senhor, tende piedade de nós») fazem-se depois da oração de perdão («Deus todo-poderoso»...). As invocações da terceira fórmula podem ser redigidas tendo em conta a temática de cada dia. Há ainda várias propostas musicais que permitem renovar e tornar mais vivo o momento penitencial.



Fé celebrada com a comunidade

  • A proximidade com os dias 1 (Todos os Santos) e 2 (Fiéis Defuntos) de novembro traz às assembleias litúrgicas dominicais pessoas menos frequentes ou até provenientes de outras comunidades paroquiais. É uma oportunidade para lhes dirigir uma palavra de boas vindas (acolhimento) que exprime bem o sentido da «reunião» e destaca a tonalidade «dominical». 
  • A partir deste domingo, ganham relevo as referências à plenitude da vida na ressurreição próprias do final do Ano Litúrgico. E ainda em estreita sintonia com os dias de Todos os Santos e Fiéis Defuntos que marcam o início do mês de novembro. Vale a pena realçar a temática da esperança; relacionando com o final do Ano da Fé, pode-se destacar a expressão do «Credo»: «Espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir».



Fé celebrada com a catequese

As crianças gostam muito da história de Zaqueu; e até se identificam com ele, sem qualquer receio. Como a Zaqueu, Jesus Cristo diz-nos: «Hoje devo ficar em tua casa», isto é, «hoje quero mudar o teu coração para que sejas melhor!». As crianças podem preparar uma oração nesta perspetiva, que será partilhada no momento da homilia: «Jesus, ensina-nos a acolher o teu amor...».

© Laboratório da fé, 2013



  • Rezar o domingo > > >
  • Preparar o domingo > > >


Celebrar o domingo trigésimo primeiro (Ano C), no Laboratório da fé, 2013
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 2.11.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários