REZAR O DOMINGO VIGÉSIMO NONO

20 DE OUTUBRO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 18, 1-8

Naquele tempo, Jesus disse aos seus discípulos uma parábola sobre a necessidade de orar sempre sem desanimar: «Em certa cidade vivia um juiz que não temia a Deus nem respeitava os homens. Havia naquela cidade uma viúva que vinha ter com ele e lhe dizia: ‘Faz-me justiça contra o meu adversário’. Durante muito tempo ele não quis atendê-la. Mas depois disse consigo: ‘É certo que eu não temo a Deus nem respeito os homens; mas, porque esta viúva me importuna, vou fazer-lhe justiça, para que não venha incomodar-me indefinidamente’». E o Senhor acrescentou: «Escutai o que diz o juiz iníquo!... E Deus não havia de fazer justiça aos seus eleitos, que por Ele clamam dia e noite, e iria fazê-los esperar muito tempo? Eu vos digo que lhes fará justiça bem depressa. Mas quando voltar o Filho do homem, encontrará fé sobre a terra?».



Segunda, 14: REZAR É FALAR

Jesus procura explicar como se pode rezar. Talvez já tenhamos necessidade de falar sobre sobre a oração; e sabemos o quanto é difícil explicar que é preciso rezar sempre sem desanimar. Os que se interrogam sobre a oração possuem um grande desejo de encontrar Deus, mas não sabem como fazê-lo, por falta de sinais, de sentimento, de soluções para as questões colocadas... desânimo. Peço a Deus que abra o meu coração e a minha inteligência às questões daqueles que procuram Deus; e, como Jesus fez, que me ajude a encontrar as parábolas que exprimam as nossas palavras.



Terça, 15: REZAR É EXISTIR

Rezar sem desanimar é ter plena consciência da presença de Deus em todas as coisas da minha existência. Mesmo quando, em determinados momentos, é necessário registar na agenda o encontro da oração, como se faz com os encontros profissionais, familiares ou pessoais. Não é preciso perder muito tempo na inútil hierarquia entre oração e ação. Peço a Deus que abra o meu coração e a minha inteligência à dimensão do tempo e ao bom senso, que me farão compreender que não há diferença entre rezar e agir, porque agir é «trocar Deus por Deus».



Quarta, 16: REZAR É ESPERAR

Rezar é esperar. Imaginemos alguém que se instala num lugar onde se sente bem, aconchegado em casa, numa igreja (aquecida), num caminho da montanha, com algum de tempo para si. Não se passa nada de particular, a não ser a solidão e o silêncio que se apoiam pacificamente. Os pensamentos vão e vêm. As imagens da vida quotidiana sobrepõem-se. Peço a Deus que abra o meu coração e a minha inteligência à certeza que me ele me espera antes de eu chegar ao local do encontro com aquele que o meu coração ama.



Quinta, 17: REZAR É PEDIR

Frequentemente, reencontramos na pessoa idosa, o adulto que se conheceu, e, no adulto, o adolescente e a criança que tinha sido. Ao longo da vida, cada um(a) faz o seu caminho, aprofunda as suas convicções, descobre o que tem de melhor. Quando rezamos acontece algo parecido, porque podemos ter a desagradável impressão de nos estarmos a repetir, sem que o essencial esteja presente. Peço a Deus que acolha o que sou em todas as fases da minha vida, com a grande convicção de que caminho para a felicidade através do pedido insistente da sua graça.



Sexta, 18: REZAR É VIVER

São Lucas, que hoje celebramos, é o evangelista que melhor descreve os evangelho da infância. Não é certo que tenha sido contemporâneo dos acontecimentos narrados. Diz-se que era médico e que acompanhou Paulo nas suas viagens. Pode ter sido um dos primeiros pagãos convertidos. Então, de onde lhe vem este conhecimento íntimo do Verbo que se fez carne? Peço a Deus que me inspire, através do seu Espírito, como ser hoje palavra Viva que revela a todos a presença de Cristo Ressuscitado que nos precede na Galileia.



Sábado, 19: REZAR É AMAR

Rezar sem desanimar: dia e noite! Isto quer dizer que não há hora nem regras específicas. Não está escrito «não incomodar» na porta do Mestre. Ela está totalmente aberta. Ele espera-nos a qualquer momento. Recordemos outra parábola apresentada por Jesus: «O Reino de Deus é como um homem que lançou a semente à terra: dia e noite, quer esteja acordado ou a dormir, a semente germina e cresce, sem ele saber como» (Marcos 4, 26-27). Eis a conclusão: Deus não tem necessidade das nossas orações, mas sim do nosso amor!



Domingo, 20: REZAR É ACREDITAR

Rezar sem desanimar é «acreditar». Hoje, celebramos o Dia Mundial das Missões. A eucaristia deste domingo será celebrada pela «evangelização dos povos». Hoje, toda a Igreja reza, precisamente, como resposta à pergunta de Cristo apresentada no evangelho: «Quando voltar o Filho do homem, encontrará fé sobre a terra?». Se Deus nos dá o dom da fé, é para o sabermos partilhar à nossa volta! Se a fé é a nossa vida, o nosso tesouro, é também fonte de fecundidade. É por isso que, ao longo deste dia, vou pedir a Deus que abra o meu coração e a minha inteligência ao seu mistério, para melhor o conhecer, amar e servir.



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Rezar o domingo vigésimo nono, Ano C, no Laboratório da fé

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 14.10.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários