La Biblia compartida — blogue de Javier Velasco-Arias y Quique Fernández

Tudo o que temos recebido é para usufruto, isto é, não me pertence. Administrá-lo em benefício próprio, mas, sobretudo, para o bem comum, é a tarefa que nos está confiada. «Não podeis servir a Deus e ao dinheiro» — é a máxima do evangelho do vigésimo quinto domingo (Ano C). Não se está a pedir para renunciarmos a tudo o que temos; somos convidados a não ser escravos do dinheiro. O dinheiro, queiramos ou não, é necessário para viver. Isto é uma realidade inevitável, mas não é preciso que o dinheiro seja uma prioridade na nossa vida: isso não! 
Não é lógico, nem humano, que uma quarta parte da população mundial possua três quartas partes da riqueza do mundo. Não é lógico, nem humano, que, nas nossas cidades, ao lado de uma luxo desmesurado, de um gasto sem medida, de uma vida de diversão, de viagens contínuas de prazer, etc., encontremos — quando não passamos ao lado ou «fechamos os olhos» — pessoas que dormem numa caixa de papelão na rua; indivíduos que se alimentam do que encontram nos contentores de lixo; próximos que não encontram trabalho, por muito que o procurem, porque são «ilegais» ou não nos agrada o seu aspeto; semelhantes de quem ninguém se ocupa nem preocupa. Não é lógico, nem humano, nem cristão, que todas estas coisas aconteçam e nós «passemos ao lado»: não é problema meu; são uns preguiçosos; gastam tudo em vinho e drogas; que voltem para a sua terra...

© Javier Velasco-Arias

© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor



  • Reflexão diária a partir do evangelho > > >
  • Quem é fiel nas coisas pequenas > > >
  • Enriquecer a nossa vida > > >
  • Lucas 16, 1-13 — notas exegéticas > > >



Preparar o vigésimo quinto domingo, ano C, no Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 20.9.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários