La Biblia compartida — blogue de Javier Velasco-Arias y Quique Fernández

O evangelho do vigésimo sexto domingo (Ano C) afirma que o gozo fundado na injustiça é efémero, não é verdadeiro, não tem futuro. Na parábola, a descrição do «rico» é sumária, mas precisa: «Havia um homem rico, que se vestia de púrpura e linho fino e se banqueteava esplendidamente todos os dias». Estava imerso numa contínua «alegria festiva»; nem sequer toma consciência do pobre — o seu nome é Lázaro: não é um ser anónimo, é alguém que tem nome, dignidade — que está à porta de sua casa «coberto de chagas», com o desejo de «saciar-se do que caía da mesa do rico, mas até os cães vinham lamber-lhe as chagas». Os cães são mais misericordiosos que alguns seres humanos!
Nesta parábola, volta a constatar-se que o Deus de Jesus tem predileção pelos pobres, pelos marginalizados. Os ricos, os satisfeitos, os indiferentes perante as necessidades alheias, estão condenados ao isolamento, à angústia, à decadência, à escravidão do dinheiro.
Não há, propriamente, uma condenação da riqueza, mas da insensibilidade perante o sofrimento do outro. Não se pode ser autenticamente feliz sem se preocupar pela situação concreta dos homens e mulheres que nos rodeiam, sem se perguntar constantemente: como está o meu irmão, a minha irmã?

© Javier Velasco-Arias

© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor



  • Reflexão diária a partir do evangelho > > >
  • Não se deixarão convencer, se alguém ressuscitar dos mortos > > >
  • Há entre nós e vós um grande abismo > > >
  • Lucas 16, 19-31 — notas exegéticas > > >
  • Em coerência com a Palavra > > >



Preparar o vigésimo sexto domingo, ano C, no Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 26.9.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários