Carta encíclica sobre a fé [42]


Quais são os elementos batismais que nos introduzem nesta nova «forma de ensino»? Sobre o catecúmeno é invocado, em primeiro lugar, o nome da Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. E deste modo se oferece, logo desde o princípio, uma síntese do caminho da fé: o Deus que chamou Abraão e quis chamar-Se seu Deus, o Deus que revelou o seu nome a Moisés, o Deus que, ao entregar-nos o seu Filho, nos revelou plenamente o mistério do seu Nome, dá à pessoa batizada uma nova identidade filial. Desta forma, se evidencia o sentido da imersão na água que se realiza no Batismo: a água é, simultaneamente, símbolo de morte, que nos convida a passar pela conversão do «eu» tendo em vista a sua abertura a um «Eu» maior, e símbolo de vida, do ventre onde renascemos para seguir Cristo na sua nova existência. Deste modo, através da imersão na água, o Batismo fala-nos da estrutura encarnada da fé. A ação de Cristo toca-nos na nossa realidade pessoal, transformando-nos radicalmente, tornando-nos filhos adotivos de Deus, participantes da natureza divina; e assim modifica todas as nossas relações, a nossa situação concreta na terra e no universo, abrindo-as à própria vida de comunhão d’Ele. Este dinamismo de transformação próprio do Batismo ajuda-nos a perceber a importância do catecumenato, que hoje — mesmo em sociedades de antigas raízes cristãs, onde um número crescente de adultos se aproxima do sacramento batismal — se reveste de singular relevância para a nova evangelização. É o itinerário de preparação para o Batismo, para a transformação da vida inteira em Cristo.
Para compreender a ligação entre o Batismo e a fé, pode ajudar-nos a recordação de um texto do profeta Isaías, que já aparece associado com o Batismo na literatura cristã antiga: «Terá o seu refúgio em rochas elevadas, terá (…) água em abundância» (Isaías 33, 16) [37]. Resgatado da morte pela água, o batizado pode manter-se de pé sobre «rochas elevadas», porque encontrou a solidez à qual confiar-se; e, assim, a água de morte transformou-se em água de vida. O texto grego descrevia-a como água «pistòs», água «fiel»: a água do Batismo é fiel, podendo confiar-nos a ela porque a sua corrente entra na dinâmica de amor de Jesus, fonte de segurança para o nosso caminho na vida.

[37] Cf. Epistula Barnabae, 11, 5: SC 172, 162

A luz da fé [Carta Encíclica sobre a fé - «Lumen Fidei»]
A luz da fé [Carta Encíclica sobre a fé - «Lumen Fidei»] — pdf

  • A luz da fé — números publicados no Laboratório da fé > > >



Refletir... saborear

  • A invocação da Trindade (Pai, Filho, Espírito Santo) oferece uma síntese do caminho da fé
  • No Batismo, a Trindade dá à pessoa uma nova identidade filial
  • No Batismo, a imersão na água é símbolo da morte: conversão
  • No Batismo, a imersão na água é símbolo da vida: renascer com Cristo
  • No Batismo, a água da morte torna-se em água da vida
  • O Batismo, pela imersão na água, fala-nos da estrutura encarnada da fé
  • No Batismo, a ação de Cristo, transforma-nos radicalmente
  • No Batismo, a ação de Cristo, torna-nos filhos adotivos de Deus
  • No Batismo, a ação de Cristo, torna-nos participantes da natureza divina
  • O Batismo modifica todas as nossas relações
  • O Batismo modifica a nossa situação concreta no mundo
  • O Batismo abre-nos à vida de comunhão (em Deus)
  • O catecumenato (preparação para o Batismo) é fundamental
  • Qual o sentido da invocação da Trindade, no Batismo?
  • O que simboliza a imersão na água, no Batismo?
  • Qual é a ação de Cristo, no Batismo?
  • É importante a preparação para o Batismo?
© Laboratório da fé, 2013

Partilha connosco a tua reflexão!


Papa Francisco, Carta Encíclica sobre a fé (Lumen Fidei — A luz da fé)
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 22.9.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários