PREPARAR O DOMINGOvigésimo sexto domingo


O ciclo litúrgico caminha para o final. De facto, faltam dois meses para terminar. Não é irrelevante. Sobretudo, se tivermos em consideração os textos do vigésimo sexto domingo, somos empurrados a reconhecer o tempo presente como o «kairós», o momento oportuno para viver e testemunhar a própria fé. A vida quotidiana de cada crente transforma-se num umbral da vida em plenitude que a promessa de Deus nos garante. Tanto a nível pessoal como comunitário temos que aprofundar esta Palavra para secundar adequadamente o projeto de Deus. Nem podemos tampouco esquecer o contexto social em que ressoam hoje estes textos da Escritura, porque são particularmente significativos. Não só descrevem a realidade, mas também são um claro apelo a que cada pessoa e cada comunidade contribua com o seu grão de areia em coerência com essa Palavra, que é norma de vida para todo o crente e para toda a Igreja local por mais pequena que seja.

Evangelho desconcertante

O evangelho oferece muitas pistas para a reflexão. Refiro duas delas que, por certo, não deixam de ter uma certa dose de surpresa que podem ajudar à reflexão e à mudança interior.
No texto, dá-se por certo que a riqueza leva à sepultura, à morte, aos tormentos. Por outro lado, também se dá por adquirido que a pobreza leva ao seio de Abraão. Não se fala dos méritos alcançados. Apenas se relaciona a riqueza nesta vida com a desgraça na outra. E, ao contrário, o sofrimento nesta vida com a felicidade na outra. Para além desta constatação, importa colocar em evidência que toda a riqueza tem de ser partilhada. A simplicidade do contraste riqueza/morte e pobreza/vida é um recurso pedagógico para ter opções claras em prol dos desfavorecidos. Outras passagens do evangelho assim o confirmam (o jovem rico e o comentário posterior de Jesus em Mateus 19, 16-26). O plano de Deus é a felicidade de todos, também aqui na terra.
É necessária a conversão contínua. Uma conversão que não dependa de nenhuma manifestação maravilhosa, mas da força na adesão a Jesus e ao seu evangelho. Isso é suficiente. Apenas a confiança na pessoa de Jesus leva ao convencimento de que a fraternidade ativa é o caminho verdadeiro de todo o cristão.

© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor



  • Reflexão diária a partir do evangelho > > >
  • Não se deixarão convencer, se alguém ressuscitar dos mortos > > >
  • Há entre nós e vós um grande abismo > > >
  • Lucas 16, 19-31 — notas exegéticas > > >
  • Predileção pelos pobres > > >



Preparar o vigésimo sexto domingo, ano C, no Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 28.9.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários