PREPARAR O DOMINGOvigésimo sétimo domingo

6 DE OUTUBRO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 17, 5-10

Naquele tempo, os Apóstolos disseram ao Senhor: «Aumenta a nossa fé». O Senhor respondeu: «Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira: ‘Arranca-te daí e vai plantar-te no mar’, e ela obedecer-vos-ia. Quem de vós, tendo um servo a lavrar ou a guardar gado, lhe dirá quando ele voltar do campo: ‘Vem depressa sentar-te à mesa’? Não lhe dirá antes: ‘Prepara-me o jantar e cinge-te para me servires, até que eu tenha comido e bebido. Depois comerás e beberás tu’?. Terá de agradecer ao servo por lhe ter feito o que mandou? Assim também vós, quando tiverdes feito tudo o que vos foi ordenado, dizei: ‘Somos inúteis servos: fizemos o que devíamos fazer’.



Segunda, 30: SEMANA DA FÉ

Em Ano da Fé, o evangelho do próximo domingo vem mesmo a calhar. Todavia os apóstolos não são necessariamente especialistas da fé. Os evangelhos impedem-nos de idealizar os apóstolos: não escondem as suas incompreensões, dúvidas ou faltas de fé. É tranquilizador para nós: o nosso caminho para ser apóstolos não é assim tão difícil de encontrar. Passa pela simplicidade de uma palavra verdadeira e confiante para dizer ao Senhor em que situação nos encontramos na relação com ele. E se eu começar esta semana da fé a falar-lhe assim, com verdade, como um apóstolo em construção?



Terça, 1: DESEJO DE FÉ

A questão dos apóstolos diz qualquer coisa de essencial sobre a fé que poderíamos ter tendência a esquecer. A fé não é uma coisa que se possui uma vez para sempre. A fé é um desejo, uma força que nos ajuda a crescer em humanidade, a ir em frente na vida tomando Jesus como mestre e companheiro. Hoje, com as minhas palavras, exprimo ao Senhor o meu desejo: que ele venha aumentar em mim a fé.



Quarta, 2: GRÃOS DE FÉ

A primeira comparação utilizada por Jesus é rica de conteúdo. Para evitar que tenhamos uma imagem grandiosa da fé (uma realidade imponente, acima de qualquer outra, em comparação com a capacidade da nossa inteligência e do nosso coração), Jesus fala-nos da fé «como um grão de mostarda»! O tamanho da fé não tem nada a ver com as medidas que usamos no mundo. Hoje, rezo com a ajuda dos grãos ou das sementes que posso ter na minha mão. Que a minha fé se torne grande como elas.



Quinta, 3: PALAVRA DE FÉ

Para Jesus, é próprio da fé, mesmo em pequena quantidade de grão, fazer falar. Mas não um qualquer tipo de palavra! Uma palavra que tem autoridade: uma palavra que diz o que faz e produz o que diz. Como nos primeiros dias da Criação: «Faça-se a luz!», e surgiu a luz. Como nos milagres realizados por Jesus: — Que queres que eu te faça? — Que eu veja! e Bartimeu, o cego, ficou a ver (Marcos 10, 50). Eu próprio me apoio nesta palavra de fé. «Pedi, e recebereis». Será que acredito no poder da minha palavra?



Sexta, 4: SERVOS DA FÉ

Jesus continua a apresentar comparações para ajudar a entender como é que a fé aumenta em nós. Conta uma história de servos para destacar uma dimensão essencial da fé: a de se colocar ao serviço dum mestre e de obedecer à sua palavra. A fé não produz mestres do mundo. Ela faz-nos, como Jesus, servos. Hoje, falarei ao Senhor da maneira de me colocar ao seu serviço nas minhas ocupações diárias, familiares ou profissionais.



Sábado, 5: RESPOSTA DE FÉ

A história de Jesus termina com uma aplicação concreta destinada ao Apóstolos; e, portanto, também a nós! «Assim também vós, quando tiverdes feito tudo..., dizei». A expressão inúteis servos pode chocar ou, ao contrário, conservar em nós uma ideia pouco evangélica sobre a forma de nos colocarmos diante de Deus (como se Deus nos mandasse desvalorizar diante dele, o que é uma falsa humildade). Peço a Jesus que me introduza com afinação na posição de inútil servo, ele que veio justamente para servir e não para ser servido.



Domingo, 6: APÓSTOLOS EM CRESCIMENTO NA FÉ

A vida cristã é uma forma dinâmica de viver o crescimento humano que é inerente a todo o ser humano. Aprender a falar livremente e confiadamente a outro. Reconhecer que estamos sempre a recomeçar, sempre desejosos de ver crescer em nós, e no outro, o que há de melhor. Encontrar o lugar correto assumindo a condição de servo, colocando a nossa energia e talentos ao serviço de um mundo mais justo e fraterno. A fé, como toda a confiança, cultiva-se e sustenta-se. A missa dominical é um bom lugar de fortalecimento: o Senhor recorda-nos a confiança que tem em nós e dá-se-nos para que a sua força se torna mais a nossa força dia após dia!



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Preparar o vigésimo sétimo domingo, ano C, no Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 30.9.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários