PREPARAR O DOMINGOvigésimo segundo domingo

1 DE SETEMBRO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 14, 1.7-14

Naquele tempo, Jesus entrou, num sábado, em casa de um dos principais fariseus para tomar uma refeição. Todos O observavam. Ao notar como os convidados escolhiam os primeiros lugares, Jesus disse-lhes esta parábola: «Quando fores convidado para um banquete nupcial, não tomes o primeiro lugar. Pode acontecer que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu; então, aquele que vos convidou a ambos, terá que te dizer: ‘Dá o lugar a este’; e ficarás depois envergonhado, se tiveres de ocupar o último lugar. Por isso, quando fores convidado, vai sentar-te no último lugar; e quando vier aquele que te convidou, dirá: ‘Amigo, sobe mais para cima’; ficarás então honrado aos olhos dos outros convidados. Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado». Jesus disse ainda a quem O tinha convidado: «Quando ofereceres um almoço ou um jantar, não convides os teus amigos nem os teus irmãos, nem os teus parentes nem os teus vizinhos ricos, não seja que eles por sua vez te convidem e assim serás retribuído. Mas quando ofereceres um banquete, convida os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos; e serás feliz por eles não terem com que retribuir-te: ser-te-á retribuído na ressurreição dos justos.



Segunda, 26: ESCOLHER UM LUGAR

Jesus é observador: usa, muitas vezes, o quotidiano para nos fazer compreender as coisas. Observemos a cena com ele: estamos na casa de um fariseu; os convidados podem escolher o lugar; tomam, espontaneamente, o primeiro lugar. Hoje, posso estar atento ao lugar que escolho, na família e no trabalho, numa reunião, numa pausa com os companheiros, nos transportes... Interrogo-me sobre os motivos da minha escolha: amizade, desejo de reconhecimento ou de autoridade, ou outro.



Terça, 27: BANQUETE NUPCIAL

A partir desta cena, Jesus tem qualquer coisa de mais profunda para nos revelar ao fazer alusão ao banquete nupcial. Esta expressão bíblica está carregada de significado: trata-se da história da Aliança, pois o próprio dá ao Reino a imagem de um banquete nupcial, para o qual somos todos convidados. Nesse Reino, tudo é alterado e os lugares são inversos: «Os primeiros serão os últimos», diz Jesus em Mateus 19, 30. Estou pronto para participar no banquete nupcial do Reino para o qual Jesus me convida? Posso manifestar-lhe a minha alegria ou, ao contrário, exprimir-lhe a minha dificuldade, a minha incompreensão ou as minhas reticências.



Quarta, 28: COM JESUS

Hoje, vou contemplar Jesus e o lugar que ele escolheu para si mesmo no meio dos humanos, desde o seu nascimento num estábulo, até à sua morte numa cruz. Charles de Foucauld dizia que Jesus tinha de tal forma escolhido o último lugar que ninguém o poderia tirar. Coloco-me diante da Cruz e, como Santo Inácio nos convida a fazer nos exercícios espirituais, falo com Jesus e pergunto-lhe porque é que ele veio ocupar o último lugar.



Quinta, 29: COMO JOÃO BATISTA

Hoje, celebramos o martírio de João Batista, «amigo do Esposo», tal como ele se apresenta. Na linha daquilo que o evangelho nos convida a viver, posso lembrar as palavras do Batista sobre Jesus: «É preciso que ele cresça e que eu diminua» (João 3, 30). Hoje, de que forma posso agir para que Cristo cresça em mim e eu diminua?



Sexta, 30: HUMILHAR-SE

«Quem se exalta será humilhado e quem se humilha será exaltado». Como entender esta frase enigmática de Jesus? Será que nos convida a destruir e a negar tudo o que somos? Certamente que não; mas remete-nos para as exigências do Reino: quando me exalto, torno-me no mais importante; quando aceito humilhar-me, deixo que o amor cresça no meu coração. Senhor, dá-me o desejo de me humilhar para ser elevado no amor!



Sábado, 31: GRATUITAMENTE

Jesus vai ainda mais longe para nos falar dos valores do Reino: convidar os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos... Por outras palavras, diz para agir gratuitamente nas nossas relações, sem esperar nada em troca. É difícil, porque na maior parte das vezes fico à espera de um benefício na base das minhas ações. Posso, durante este dia, escolher realizar um ato totalmente gratuito em favor de uma pessoa à minha volta ou, talvez, do próprio Senhor, sem esperar nada em troca.



Domingo, 1: VIVER HUMILDEMENTE COMO IRMÃOS

As leituras deste domingo são um convite a escolher uma vida humilde. É o caso, em particular, da primeira leitura que diz: «Filho, em todas as tuas obras procede com humildade e serás mais estimado do que o homem generoso» (Ben-Sirá 4, 19). Viver humildemente é respeitar o outro e deixar que tome o seu lugar para que possa ser verdadeiramente ele mesmo. A eucaristia dominical, à quanto somos convidados, dá-nos a oportunidade de nos situar em igualdade com cada um dos participantes, como filhos do mesmo Pai e, portanto, irmãos. Juntos, em igualdade, podemos escutar a palavra do nosso Deus e, numa só voz, louvá-lo, porque «aos abandonados Deus prepara uma casa, conduz os cativos à liberdade» (Salmo 67).



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Preparar o vigésimo segundo domingo, ano C, no Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 26.8.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários