PREPARAR O DOMINGO: décimo quinto domingo

14 DE JULHO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 10, 25-37

Naquele tempo, levantou-se um doutor da lei e perguntou a Jesus para O experimentar: «Mestre, que hei-de fazer para receber como herança a vida eterna?». Jesus disse-lhe: «Que está escrito na Lei? Como lês tu?». Ele respondeu: «Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma, com todas as tuas forças e com todo o teu entendimento; e ao próximo como a ti mesmo». Disse-lhe Jesus: «Respondeste bem. Faz isso e viverás». Mas ele, querendo justificar-se, perguntou a Jesus: «E quem é o meu próximo?». Jesus, tomando a palavra, disse: «Um homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos dos salteadores. Roubaram-lhe tudo o que levava, espancaram-no e foram-se embora, deixando-o meio-morto. Por coincidência, descia pelo mesmo caminho um sacerdote; viu-o e passou adiante. Do mesmo modo, um levita que vinha por aquele lugar, viu-o e passou também adiante. Mas um samaritano, que ia de viagem, passou junto dele e, ao vê-lo, encheu-se de compaixão. Aproximou-se, ligou-lhe as feridas deitando azeite e vinho, colocou-o sobre a sua própria montada, levou-o para uma estalagem e cuidou dele. No dia seguinte, tirou duas moedas, deu-as ao estalajadeiro e disse: ‘Trata bem dele; e o que gastares a mais eu to pagarei quando voltar’. Qual destes três te parece ter sido o próximo daquele homem que caiu nas mãos dos salteadores?». O doutor da lei respondeu: «O que teve compaixão dele». Disse-lhe Jesus: Então vai e faz o mesmo».



Segunda, 8: PACIÊNCIA E CORAGEM

Uma das grandes provas da existência de Jesus é a desconfiança dos seus interlocutores, que tudo faziam para o pôr à prova. Este caso é tão dramático como o caso da mulher adúltera. Procuro lembrar outros momentos difíceis da sua vida e dou graças pela paciência e coragem de Jesus Cristo. Peço-lhe essas duas atitudes para os momentos difíceis que possa vir a atravessar na minha vida.



Terça, 9: VIDA ETERNA

Jesus é interrogado sobre a vida eterna. Uma questão muito atual, quando as últimas técnicas de bem estar ou a abundante literatura de desenvolvimento pessoal ocultam esta aspiração: que podemos fazer para viver verdadeiramente? Mas o que é que significam para mim as palavras «vida eterna»? Procuro saboreá-las ao longo deste dia, pensando nesta expressão: «Esta é a vida eterna: que te conheçam a ti, único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem Tu enviaste» (João 17, 3).



Quarta, 10: TER A VIDA

Para responder ao doutor da lei, Jesus apoia-se na... lei. Como um bom pedagogo, devolve a pergunta e felicita-o dizendo: «Faz isso e viverás». Ter a vida: que estímulo! Peço a Jesus que me mostre os lugares da minha existência onde a vida começa a brilhar em mim e à minha volta. Agradeço-lhe por isso.



Quinta, 11: SÃO BENTO

A parábola do bom samaritano acentua a hospitalidade. Graças a São Bento, cuja festa hoje celebramos, nasceram em todo o mundo mosteiros que são verdadeiros lugares de hospitalidade. Talvez possamos aproveitar o verão para participar num momento de oração com os monges (que até pode ser através da internet) ou fazer-lhes uma visita para sermos acolhidos por eles.



Sexta, 12: NÃO SE ESCONDER

Numa parábola, há o grave perigo de se projetar numa única personagem ou elaborar um julgamento definitivo sobre alguma. De acordo com as circunstâncias, às vezes somos sacerdotes, outras levitas, e outras samaritanos. Por isso, peço coragem para não me esconder do meu próximo quando a ocasião se coloca no meu caminho, durante os meus percursos...



Sábado, 13: TOCAR O CORAÇÃO

O samaritano faz mais do que socorrer o homem ferido: enche-se de compaixão. É uma bela forma para falar de Deus. Encontra-se esta mesma compaixão na parábola do pai misericordioso (Lucas 15) ou no momento da libertação do Egito («vi a miséria do meu povo»). Peço a graça de também ser tocado no coração para estar atento ao que se passa à minha volta.



Domingo, 14: SÓ O AMOR É DIGNO DE FÉ

A parábola define bem o sentido profundo da lei: amar a Deus e ao próximo são a mesma coisa. Não há relação com Deus sem relação com o próximo. Mais do que uma ilustração, a parábola é um convite de Jesus Cristo: «Então vai e faz o mesmo». De facto, as figuras espirituais que marcam as pessoas — Francisco de Assis, Abbé Pierre, Madre Teresa, Dalai Lama — não são figuras poderosas ou eloquentes. São figuras que incarnam a bondade e o amor concreto pelos mais pobres. A palavra pode ser mal entendida (muito bom, muito..) e pode esconder o medo da realidade ou dos conflitos. A bondade do bom samaritano está cheia de criatividade e de decisão. Que seja a nossa inspiração diária!



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013



  • Lucas 10, 25-37 — notas exegéticas > > >
  • Fazer-se próximo — oração de Carlo Maria Martini > > >
  • Bom samaritano — orientações para o Dia Mundial do Doente > > >
  • Vai tu e faz também o mesmo — Mensagem para o Dia Mundial do Doente > > >

Décimo quinto domingo, Ano C
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 8.7.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários