PREPARAR O DOMINGO: décimo quarto domingo

7 DE JULHO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 10, 1-12.17-20

Naquele tempo, designou o Senhor setenta e dois discípulos e enviou-os dois a dois à sua frente, a todas as cidades e lugares aonde Ele havia de ir. E dizia-lhes: «A seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi ao dono da seara que mande trabalhadores para a sua seara. Ide: Eu vos envio como cordeiros para o meio de lobos. Não leveis bolsa nem alforge nem sandálias, nem vos demoreis a saudar alguém pelo caminho. Quando entrardes nalguma casa, dizei primeiro: ‘Paz a esta casa’. E se lá houver gente de paz, a vossa paz repousará sobre eles; senão, ficará convosco. Ficai nessa casa, comei e bebei do que tiverem, que o trabalhador merece o seu salário. Não andeis de casa em casa. Quando entrardes nalguma cidade e vos receberem, comei do que vos servirem, curai os enfermos que nela houver e dizei-lhes: ‘Está perto de vós o reino de Deus’. Mas quando entrardes nalguma cidade e não vos receberem, saí à praça pública e dizei: ‘Até o pó da vossa cidade que se pegou aos nossos pés sacudimos para vós. No entanto, ficai sabendo: Está perto o reino de Deus’. Eu vos digo: Haverá mais tolerância, naquele dia, para Sodoma do que para essa cidade». Os setenta e dois discípulos voltaram cheios de alegria, dizendo: «Senhor, até os demónios nos obedeciam em teu nome». Jesus respondeu-lhes: «Eu via Satanás cair do céu como um relâmpago. Dei-vos o poder de pisar serpentes e escorpiões e dominar toda a força do inimigo; nada poderá causar-vos dano. Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem; alegrai-vos antes porque os vossos nomes estão escritos nos Céus».



Segunda, 1: DOIS A DOIS

Um discípulo nunca está por sua conta. Partilha a missão com outros, trabalha para Outro. Tornar-se discípulo não se improvisa! Ser enviado dois a dois dá segurança, permite mútua assistência e, sobretudo, evita tomar-se por Deus, anunciar-se a si mesmo. Na minha oração, nomeio os meus companheiros de jornada.



Terça, 2: À FRENTE DELE

A evangelização não é uma estratégia. Mas não se trata de ir para qualquer sítio ou não definir objetivos. Jesus sabe onde vai e envia os discípulos a esses lugares aonde havia de ir. A orientação está bem definida. Peço para ser reconhecido como enviado à frente dele.



Quarta, 3: COMO CORDEIROS

O que caracteriza os cordeiros é a doçura e a fragilidade. Um cordeiro é uma presa fácil, sem defesa. Também os discípulos, porque não têm senão o Evangelho para anunciar. «Quando sou fraco, então é que sou forte», diz São Paulo. É o que experimenta São Tomé, cuja festa celebramos hoje. Esforço-me por ser como um cordeiro.



Quinta, 4: PARA O MEIO DE LOBOS

Ainda pior! O que Jesus diz parece desumano. Qual a finalidade de ir para o massacre? Porque Jesus não escolhe outro caminho. Oferecendo o seu amor, sabe que não será recebido; e será confrontado com o mal e com o ódio. Ele é o cordeiro que tira o pecado do mundo. Com ele, olho com lucidez para o mal que habita o mundo.



Sexta, 5: SEM BOLSA NEM SANDÁLIAS

O discípulo vai sem nada nos pés, sem qualquer proteção. Transporta apenas o amor do seu Deus, tendo apenas confiança nele. Bela ideia que ainda não tinha percebido. Hoje, deponho o que me protege, o que me prende e me impede de estar disponível para Deus e para o reino.



Sábado, 6: TODOS ALEGRES

Não vimos os discípulos partir, mas vemo-los regressar. Entendemos as instruções de Jesus: a sua palavra é eficaz. Os demónios são-lhe submissos. Que experiência! Fazer recuar o mal. Dou graças por tudo o que recebo na minha missão de batizado.



Domingo, 7: ESTÁ PERTO DE VÓS O REINO DE DEUS

Enviados, os discípulos voltam para junto de Jesus, cheios com tudo o que viram e experimentaram. Voltam com as mãos vazias, os pés descalços, mas o coração cheio de gratidão e de alegria. Também nós, voltamos para junto de Jesus, neste domingo, reencontrando os nossos irmãos e irmãs na fé; e apresentamos os nossos dons, juntamente com toda a assembleia, oferecendo-os ao Pai, por Jesus, o Cristo. O Espírito santifica-os e santifica-nos. Sim, o Reino de Deus está perto sempre que Cristo nos oferece o dom do seu corpo e do seu sangue, para nos tornarmos o seu corpo no mundo. Sim, o Reino de Deus está perto sempre que rezamos «Livra-nos do mal». Deixemos que a alegria habite o nosso coração, acolhendo-a com um dom do Pai.



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Décimo quarto domingo, Ano C
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 2.7.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários