PREPARAR O DOMINGO: décimo sétimo domingo

28 DE JULHO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 11, 1-13

Naquele tempo, estava Jesus em oração em certo lugar. Ao terminar, disse-Lhe um dos discípulos: «Senhor, ensina-nos a orar, como João Baptista ensinou também os seus discípulos». Disse-lhes Jesus: «Quando orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o vosso nome; venha o vosso reino; dai-nos em cada dia o pão da nossa subsistência; perdoai-nos os nossos pecados, porque também nós perdoamos a todo aquele que nos ofende; e não nos deixeis cair em tentação’». Disse-lhes ainda: «Se algum de vós tiver um amigo, poderá ter de ir a sua casa à meia-noite, para lhe dizer: ‘Amigo, empresta-me três pães, porque chegou de viagem um dos meus amigos e não tenho nada para lhe dar’. Ele poderá responder lá de dentro: ‘Não me incomodes; a porta está fechada, eu e os meus filhos estamos deitados e não posso levantar-me para te dar os pães’. Eu vos digo: Se ele não se levantar por ser amigo, ao menos, por causa da sua insistência, levantar-se-á para lhe dar tudo aquilo de que precisa. Também vos digo: Pedi e dar-se-vos-á; procurai e encontrareis; batei à porta e abrir-se-vos-á. Porque quem pede recebe; quem procura encontra e a quem bate à porta, abrir-se-á. Se um de vós for pai e um filho lhe pedir peixe, em vez de peixe dar-lhe-á uma serpente? E se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á um escorpião? Se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o Pai do Céu dará o Espírito Santo àqueles que Lho pedem!».



Segunda, 22: ESTAR EM ORAÇÃO

Esta semana, no coração do verão, o evangelho conduz-nos ao coração da oração cristã com o Pai nosso. Tudo começa pela oração de Jesus que são Lucas relata como um facto habitual, ordinário, mas não banal: «Estava Jesus em oração em certo lugar». Hoje, escolho o meu «certo lugar» para «estar em oração», para recitar tranquilamente um «Pai nosso».



Terça, 23: FALAR AO PAI

Dos ensinamentos de Jesus, retemos que a oração é uma conversação com alguém, aquele que é seu Pai e nosso Pai. Não Deus, mas Pai. Não Senhor, mas Pai. Hoje, entro em oração dirigindo-me a alguém que ouso chamar Pai. E repito o seu nome várias vezes, voltando-me para ele. E por que não fazê-lo a pensar, um de cada vez, nos países da Europa onde Brígida, cuja festa hoje celebramos, é padroeira?



Quarta, 24: CINCO PEDIDOS

A oração que Jesus nos ensina para dirigir ao Pai contém cinco pedidos, unidos entre eles como os cinco dedos da mão. Hoje, lentamente, falo com o Pai para lhe mencionar as cinco coisas que pedi de acordo com o ensinamento de Jesus. E não hesito em usar os dedos da minha mão!



Quinta, 25: TUDO POR UM AMIGO

Jesus completa o seu ensinamento com a pequena história de um amigo incómodo. Aí, também a oração se faz relação, e de que maneira! São Tiago, hoje festejado, viveu esta amizade incómoda com Jesus. Então, com ele, falo ao Pai da relação pessoal que desejo aprofundar com ele.



Sexta, 26: QUEM PROCURA ENCONTRA

O ensinamento seguinte de Jesus está cheio de verbos no imperativo e no futuro, ou então no presente, nas formulações mais proverbiais. Escolho um tempo para saborear todos os verbos. Para acreditar melhor na promessa que transmitem, recorro aos parentes de Maria, Ana e Joaquim, cuja festa celebramos, hoje.



Sábado, 27: ESPÍRITO SANTO

Se não soubermos o que pedir na oração dirigida ao Pai, Jesus conta uma outra pequena história entre um filho e um pai com propostas engraçadas. Jesus recorda repetidamente uma evidência: um pai não sabe dar senão coisas boas ao seu filho. Repara no que aplica à oração. E se eu pedir o melhor para mim?



Domingo, 28: OUSAMOS DIZER

Sim, que ousadia nesta oração do Pai nosso! Realizemos verdadeiramente o que Jesus nos diz para fazer, quando nos convida a entrar em oração desta maneira, isto é, como ele. Aprender a rezar — é o pedido inicial dos discípulos — conduz-nos a recordar as nossas maneiras de conversar com os familiares, particularmente com aquele e aquele que nos deu a vida, com aquele ou aquela que a recebeu através de nós. A oração cristã é uma questão de geração (gestação). Faz-nos nascer na condição de filho, filha de Deus, de irmão, irmã de Jesus, de irmão, irmã dos discípulos de todos os tempos e lugares. Que a oração nos transforme dessa forma, uma vez que temos a ousadia de dirigir ao Pai de todos.



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Preparar o décimo sétimo domingo, ano C, no Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 22.7.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários