PREPARAR O DOMINGO: décimo primeiro domingo

16 DE JUNHO DE 2013

Evangelho segundo Lucas 7, 36 — 8, 3

Naquele tempo, um fariseu convidou Jesus para comer com ele. Jesus entrou em casa do fariseu e tomou lugar à mesa. Então, uma mulher – uma pecadora que vivia na cidade – ao saber que Ele estava à mesa em casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro com perfume; pôs-se atrás de Jesus e, chorando muito, banhava-Lhe os pés com as lágrimas e enxugava-Lhos com os cabelos, beijava-os e ungia-os com o perfume. Ao ver isto, o fariseu que tinha convidado Jesus pensou consigo: «Se este homem fosse profeta, saberia que a mulher que O toca é uma pecadora». Jesus tomou a palavra e disse-lhe: «Simão, tenho uma coisa a dizer-te». Ele respondeu: «Fala, Mestre». Jesus continuou: «Certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos denários e o outro cinquenta. Como não tinham com que pagar, perdoou a ambos. Qual deles ficará mais seu amigo?». Respondeu Simão: «Aquele – suponho eu – a quem mais perdoou». Disse-lhe Jesus: «Julgaste bem». E voltando-Se para a mulher, disse a Simão: «Vês esta mulher? Entrei em tua casa e não Me deste água para os pés; mas ela banhou-Me os pés com as lágrimas e enxugou-os com os cabelos. Não Me deste o ósculo; mas ela, desde que entrei, não cessou de beijar-Me os pés. Não Me derramaste óleo na cabeça; mas ela ungiu-Me os pés com perfume. Por isso te digo: São-lhe perdoados os seus muitos pecados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama». Depois disse à mulher: «Os teus pecados estão perdoados». Então os convivas começaram a dizer entre si: «Quem é este homem, que até perdoa os pecados?». Mas Jesus disse à mulher: «A tua fé te salvou. Vai em paz». Depois disso, Jesus ia caminhando por cidades e aldeias, a pregar e a anunciar a Boa Nova do reino de Deus. Acompanhavam-n’O os Doze, bem como algumas mulheres que tinham sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades. Eram Maria, chamada Madalena, de quem tinham saído sete demónios, Joana, mulher de Cusa, administrador de Herodes, Susana e muitas outras, que serviam Jesus com os seus bens.



Segunda, 10: CONVITE

O evangelho segundo Lucas faz-nos entrar na vida quotidiana de uma família da comunidade judaica do tempo de Jesus. Naquele dia, as mulheres estão atarefadas na cozinha, as crianças estão em festa, prepara-se a mesa para os convidados. Penso naqueles e naquelas que hoje se sentam na soleira da nossa casa, e preparo-me para os receber como meus melhores amigos...



Terça, 11: CONFORTO

Hoje, a Igreja festeja José, com o sobrenome de Barnabé, que quer dizer: o homem do conforto/consolação. Era judeu, levita originário de Chipre tornou-se cristão pouco depois do Pentecostes e companheiro de Paulo. Deixo-me iluminar para saber como levar conforto aos que precisam, consolação aos que choram, tudo em nome de Jesus...



Quarta, 12: HOSPITALIDADE

Voltemos ao evangelho: uma mulher intromete-se entre os convidados. Ela soube que Jesus vinha para ali. Aguarda a sua chegada. Logo que o vê, aproxima-se e põe-se a chorar, a perfumar, a enxugar os pés de Jesus. Deixo-me tocar por esta mulher que procura conforto e consolação junto de Jesus...



Quinta, 13: ACOLHIMENTO

O fariseu, contrariado (chocado ?), pensa para si mesmo que Jesus se enganou ao deixar-se aproximar por uma mulher que é de pouca reputação. Cala-se para não fazer alarido, mas não deixa de pensar nisso. Conhecemos estes pensamentos nublosos que às vezes nos habitam. Observo Jesus, entre os convidados, para aprender a acolher como ele.



Sexta, 14: DIÁLOGO

Magnífico diálogo entre Simão, o fariseu, e Jesus: «Simão, tenho uma coisa a dizer-te». — «Fala, Mestre». Leio calmamente a parábola (Lucas 7, 41-47), tomando quer o lugar de Simão, quer o daquela mulher. Fico um momento ao lado de um e depois de outro e deixo sair as palavras que brotam do fundo do meu coração.



Sábado, 15: PAZ

À mulher, que chora aos seus pés, Jesus diz: «Os teus pecados estão perdoados». Lembra o que nos é dito no Sacramento da Reconciliação: «E eu te absolvo [perdoo] dos teus pecados, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo». Entro nesta dinâmica, e coloco-me de joelhos para escutar: «A tua fé te salvou. Vai em paz»!



Domingo, 16: CONVERSAÇÃO

Os convidados saúdam-se ou travam conhecimento. Ao verem e ouvirem Jesus a dirigir-se à mulher, alguns ficam baralhados: «Quem é este homem, que até perdoa os pecados?». As opiniões são bem conhecidas: «É o filho de José, o carpinteiro»; «É oriundo de Nazaré»; «Parece que cura os doentes»; «É um iluminado»; «Anda, com outros, pelas aldeias a pregar»; «É um belo sonhador»; «Diz-se muito bem dele»; «Os pescadores de Tiberíades deixaram mulher e filhos para o seguir»; «Sim»; «Não»; «Talvez»... (Durante a Eucaristia dizem-nos: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.) Nesse momento, Simão convida os hóspedes a tomar lugar à mesa para partilhar a refeição.



© www.versdimanche.com
© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013

Quem é este homem, que até perdoa os pecados
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 10.6.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários