Nihil Obstat — blogue de Martín Gelabert Ballester

Totoloto, euromilhões
O livro dos Atos dos Apóstolos conta que na eleição de Matias, escolhido para fazer parte do grupo dos Doze em substituição de Judas, os crentes fizeram oração, lançaram sortes e saiu o nome de Matias. Não é legítimo deduzir daqui que um resultado é tanto mais atribuído ao Espírito quanto menos intervenção humana houver no resultado. O Espírito, nos assuntos que dizem respeito ao ser humano, atua sempre connosco e nunca sem nós. Como atuou no caso da eleição de Matias. Porque não se tratou de um sorteio puro, mas muito condicionado. Os candidatos precisavam de cumprir determinadas condições (a mais importante era ter conhecido o Senhor Jesus) e, entre os que cumpriam essas condições, a assembleia escolheu dois. O sorteio fez-se entre os dois que tinham passado o crivo da eleição eclesiástica.
Recentemente, foi nomeado um novo Papa copta. Também aí houve sorteio, pois a mão de uma criança inocente tirou o papel com o nome do novo Papa. Mas o sorteio foi condicionado. Havia três candidatos eleitos depois de um longo processo de votações em que participaram prelados de todos os lugares do Egito. É possível que este sistema seja uma cura de humildade e evite alguns componentes demasiado humanos. Em qualquer caso, não se pode concluir que o Espírito atua através de uma lotaria. O Espírito atua sempre através de mediações humanas.
Ás vezes, escuto da boca de alguns pregadores ou catequistas: «Não pude preparar a homilia ou a catequese, o Espírito inspirar-me-á». Pois se não se tiver preparado, o mais provável é que o Espírito lhe inspire baboseiras (digo com a esperança de ser bem entendido). Não se pode confundir a ação do Espírito com a espontaneidade e a improvisação. A sua ação está condicionada pela capacidade e o esforço do ser humano. Atua, não apesar de, mas através da procura, da sensibilidade e da inteligência dos pregadores. A inspiração do Espírito Santo não dispensa a Igreja e, em consequência, o Papa e os Bispos, do esforço da preparação, do estudo e da boa informação. Neste sentido, pode-se dizer que o Espírito está condicionado.
Se a linguagem é o órgão do ser interior, então o ser interior fica condicionado ao tornar-se linguagem. Se «a palavra é a carne da ideia» (como diz um hino de Laudes), então a ideia está limitada pela palavra. Da mesma forma, o Espírito não atua de forma automática ou mágica, mas através da vontade, da razão e da experiência daqueles que possuem a autoridade na Igreja ou dos impulsos daqueles que queremos seguir. Isto implica estar consciente das nossas limitações e preconceitos e um sério esforço para encontrar a vontade de Deus usando todos os recursos da nossa inteligência, em vez de nos sentirmos dispensados da procura porque supostamente disporíamos automaticamente do Espírito.

© Martín Gelabert Ballester, OP

© tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013
A utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização do autor



Nihil obstat - www.laboratoriodafe.net
Martín Gelabert Ballester, frade dominicano, nasceu em Manacor (Ilhas Baleares) e reside em Valencia (Espanha). É autor do blogue «Nihil Obstat» (em espanhol), que trata de questões religiosas, teológicas e eclesiais. Pretende ser um espaço de reflexão e diálogo. O autor dedica o seu tempo à pregação e ao ensino da teologia, especialmente antropologia teológica e teologia fundamental. 
Outros artigos publicados no Laboratório da fé


Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 20.5.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários