Medianeira para a unidade da Igreja


É uma grande alegria e consolação para este sagrado Concílio o facto de não faltar entre os irmãos separados quem preste à Mãe do Senhor e Salvador o devido culto; sobretudo entre os Orientais, que acorrem com fervor e devoção a render culto à sempre Virgem Mãe de Deus. Dirijam todos os fiéis instantes súplicas à Mãe de Deus e mãe dos homens, para que Ela, que assistiu com suas orações aos começos da Igreja, também agora, exaltada sobre todos os anjos e bem-aventurados, interceda, junto de seu Filho, na comunhão de todos os santos, até que todos os povos, tanto os que ostentam o nome cristão, como os que ainda ignoram o Salvador, se reunam felizmente, em paz e harmonia, no único Povo de Deus, para glória da santíssima e indivisa Trindade (Constituição Dogmática sobre a Igreja — «Lumen Gentium», 69).

Mistérios a partir do texto da «Lumen Gentium»


  • PRIMEIRO MISTÉRIO: OS IRMÃOS SEPARADOS
A maternidade universal de Maria, mesmo que faça aparecer ainda mais dolorosas as divisões entre os cristãos, constitui um grande sinal de esperança para o caminho ecuménico. Muitas Comunidades protestantes opuseram-se à doutrina e ao culto mariano, considerando prejudicial à única mediação de Cristo. Em tempos recentes, o aprofundamento do pensamento dos primeiros reformadores pôs em relevo posições mais abertas em relação à doutrina católica (João Paulo II, Audiência Geral de 12 de novembro de 1997).

  • SEGUNDO MISTÉRIO: FERVOR E DEVOÇÃO
O Concílio recorda, entre os irmãos que «prestam a honra devida à Mãe do Senhor e Salvador», especialmente os Orientais, «que acorrem com fervor e devoção para venerar a Mãe de Deus». Como resulta das numerosas manifestações de culto, a veneração por Maria representa um significativo elemento de comunhão entre católicos e ortodoxos. Contudo, restam algumas divergências acerca dos dogmas da Imaculada Conceição e da Assunção (João Paulo II, Audiência Geral de 12 de novembro de 1997).

  • TERCEIRO MISTÉRIO: SÚPLICAS À MÃE DE DEUS
O Concílio convida a dirigir súplicas à Mãe de Deus para lhe confiar a unidade dos cristãos. Assim como na comunidade primordial a presença de Maria promovia a unanimidade dos corações, que a oração consolidava e tornava visível (cf. Atos 1, 14), assim também a mais intensa comunhão com Aquela a quem Agostinho chama «mãe da unidade», poderá impelir os cristãos a gozarem o dom tão almejado da unidade ecuménica (cf. João Paulo II, Audiência Geral de 12 de novembro de 1997).

  • QUARTO MISTÉRIO: INTERCEDA NA COMUNHÃO DE TODOS OS SANTOS
À Virgem Santa dirigem-se as nossas incessantes orações para que, assim como no início sustentou o caminho da comunidade cristã unida na oração e no anúncio do Evangelho, assim hoje com a sua intercessão obtenha a reconciliação e a plena comunhão entre os crentes em Cristo. Com esse pedido os cristãos compartilham a expectativa d’Aquela que, repleta das virtudes da esperança, sustém a Igreja em caminho rumo ao porvir de Deus (João Paulo II, Audiência Geral de 12 de novembro de 1997).

  • QUINTO MISTÉRIO: ÚNICO POVO DE DEUS
Mãe dos homens, Maria conhece bem as necessidades e as aspirações da humanidade. O Concílio pede-Lhe de modo particular que interceda a fim de que todos os povos «se reunam em paz e concórdia no único Povo de Deus, para glória da Santíssima e indivisa Trindade». A paz, a concórdia e a unidade, objecto da esperança da Igreja e da humanidade, ainda parecem distantes. Contudo, constituem uma dádiva do Espírito a ser pedida incessantemente, pondo-se na escola de Maria e confiando na sua intercessão (João Paulo II, Audiência Geral de 12 de novembro de 1997).

  • ORAÇÃO PARA TODOS OS DIAS > > >
  • TEMA GERAL DO MÊS DE MARIA 2013 > > >
© Laboratório da fé, 2013

Maio, mês de Maria, 2013 — Laboratório da fé
Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 29.5.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários