— Cadeira de Pedro, 22 de fevereiro —

— Evangelho segundo Mateus 16, 13-19

Naquele tempo, Jesus foi para os lados de Cesareia de Filipe e perguntou aos seus discípulos: «Quem dizem os homens que é o Filho do homem?». Eles responderam: «Uns dizem que é João Baptista, outros que é Elias, outros que é Jeremias ou algum dos profetas». Jesus perguntou: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». Então, Simão Pedro tomou a palavra e disse: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo». Jesus respondeu-lhe: «Feliz de ti, Simão, filho de Jonas, porque não foram a carne e o sangue que to revelaram, mas sim meu Pai que está nos Céus. Também Eu te digo: Tu és Pedro; sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos Céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos Céus».

— E vós, quem dizeis que Eu sou?

Se a pergunta fosse dirigida a nós, que responderíamos? Provavelmente, daríamos a Jesus um título que desse conta da necessidade que temos dele. Uma pessoa doente talvez respondesse: «Tu és o Médico». Aquela que procura o sentido da vida reconheceria-o como um guia que mostra o caminho. Um homem de negócios talvez dissesse: «Tu és o Mestre que ensina a não ficar perturbado, pois Deus cuida de nós como das aves do céu e das flores dos campos». Uns pais novos diriam que ele foi um bom filho para Maria e José...
Continuemos. Todas as respostas são boas, pois todas estão relacionadas com a nossa situação; e é nessa situação que Jesus nos interpela. 
Eis que o evangelho dá conta da resposta de Pedro a Jesus: «Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo». E Jesus felicita Pedro reconhecendo que tal resposta não pode vir apenas dele. É Deus, o Pai, que lhe revela quem é Jesus. Pela fé, Pedro compreende que Jesus é o Enviado do Pai, aquele a quem o Pai confiou uma missão. Que missão? Visto que o Pai é o Deus vivo e que o seu Filho é tão parecido com ele, com Pedro, não podemos compreender que Jesus também é o Vivo que dá vida, ele que transcende a morte?
Escutemos então a questão de Jesus. Respondamos-lhe no íntimo do nosso coração. Com o Pai, o Espírito Santo bem saberá revelar-nos quem é Jesus para nós, hoje. 

Senhor Jesus, eu quero seguir-te.
Tu és para mim aquele que eu chamo... porque...
Obrigado pela tua presença na minha vida.

© Denise Lamarche, «Vie Liturgique», Novalis - Bayard Presse Canada inc
© Tradução e adaptação de Laboratório da fé, 2013
— a utilização ou publicação deste texto precisa da prévia autorização —

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 22.2.13 | Sem comentários
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários