— 11 de fevereiro de 2013 —

1. Quem é e o que faz o Bom Samaritano? 

É um estrangeiro que nada tem a ver com aquele judeu maltratado pelos ladrões. Parou e cuidou dele.
  • Viu, ao passar no caminho, um homem caído e em grande sofrimento. 
  • Aproximou-se, descendo da montada em que seguia para socorrê-lo. 
  • Tratou-o com o que tinha à mão, deitando azeite e vinho nas feridas. 
  • Pegou nele e levou-o à estalagem mais próxima para ali ele poder recuperar. 
  • Pagou as despesas e prometeu voltar para garantir a sua cura. 
A figura do Bom Samaritano é paradigmática. Esta é a verdadeira solidariedade, uma vez que o samaritano fez seu o problema do judeu e salvou-o. 

2. Vai e faz tu o mesmo 

É o desafio que Bento XVI faz aos cristãos, no mundo da saúde. Médicos, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais, visitadores e voluntários, todos têm de aprender com o samaritano do Evangelho. 
  • Saber ver quem à sua volta precisa de apoio, pelo problema que tem, pela idade avançada, pela falta da família, pela solidão. 
  • Aproximar-se, tentando compreender aquele caso concreto de uma pessoa que precisa de ajuda em vários aspetos da sua vida. 
  • Cuidar das feridas, respondendo aos apelos que lhe são feitos pela pessoa que está em sofrimento e que não tem ninguém. 
  • Responder às necessidades mais urgentes, na saúde, na solidão, na dificuldade económica, na vida espiritual e religiosa. 
  • Regressar ao encontro daqueles a que se prestam cuidados para saber da eficácia de todo o apoio que foi dado. 
A dinâmica da ação pastoral, no campo da saúde, tem de ter em conta a realidade de cada um, uma vez que cada caso é diferente e precisa de soluções diferentes também. 

3. Na comunidade cristã é urgente fazer o mesmo 

Na atual crise económico-social multiplicam-se as pessoas em dificuldade. Aumenta o número de pessoas idosas, há novas doenças que invadem as famílias, também não faltam deficientes, a par de migrantes, de desempregados, de crianças ao abandono. É preciso levar as comunidades cristãs «a fazer o mesmo» que foi feito pelo samaritano. O que fazer nas comunidades cristãs? 
  • Ver as pessoas que precisam de especial ajuda em saúde e apoio material ou espiritual: organizar um ficheiro com as pessoas a quem ajudar. 
  • Aproximar-se indo ao encontro destas pessoas: a criação de um grupo de voluntários / visitadores a quem são atribuídas as pessoas a ajudar; fazer-se próximo é uma forma dinâmica de ir ao encontro de quem não tem ninguém. 
  • Cuidar é a melhor forma de recuperar a pessoa que foi batida pela adversidade; o cuidado pode ser na área da saúde, mas também no campo social ou mesmo na vida espiritual; o necessário é proporcionar subsídios que permitam dar resposta aos problemas. 
  • Continuar os cuidados é indispensável, uma vez que ninguém resolve os problemas com um simples encontro; é frequente, hoje, o que se chama «toca e foge»; é necessário dar continuidade à ação sanadora que se iniciou, para que a pessoa receba a paz de que precisa. 
Todo este trabalho pastoral deve estar estruturado nas paróquias e nos hospitais. São pessoas concretas aquelas que precisam de ajuda. "Vai e faz tu o mesmo" foi o que Jesus sugeriu ao doutor da lei, depois de lhe contar a história do samaritano. Em Pastoral da Saúde esta história é fundamental. João Paulo II concretizou-a na carta Apostólica Salvifici Doloris e Bento XVI refere-a na Encíclica «Deus é Amor». Não é por acaso. O desafio foi lançado e os responsáveis das comunidades cristãs têm de aceitar levar a cabo esta missão integral: cuidar do corpo e do espírito de cada pessoa é essencial na comunidade. 

4. Como viver nas comunidades o dia mundial do doente? 

No Ano da Fé, importa viver com a maior intensidade o Dia Mundial do Doente. O mistério da fé fala-nos da adesão à pessoa de Cristo e o doente é a imagem viva de Cristo. É oportunidade de nos aproximarmos dos doentes e das nossas comunidades e dar-lhes o apoio da presença de Cristo nas suas vidas, no seu sofrimento e na sua esperança. É tempo de: Ser Bom Samaritano.
  • Visitadores e voluntários 
    • Visitarem todos os doentes e idosos isolados das Paróquias 
  • Ministros extraordinários da comunhão 
    • Levar o Sacramento da Eucaristia a quem o pedir (depois de uma preparação) 
  • Sacerdotes 
    • Dar aos enfermos que o queiram o Sacramento da Santa Unção e aos doentes mais graves o Sagrado Viático. 
    • Reunir a comunidade cristã para a grande celebração do sacramento da Unção dos Doentes às pessoas que estejam preparadas e em condições de recebê-lo.



Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 11.2.13 | Sem comentários
Categorias:
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários