Segunda Semana [no Ciclo C de Cortés (RD-Herder)] —

O vinho de Jesus cura... liberta... e dá sinais...
O resto é apenas religião


«Temos de estar convencidos de que é o melhor remédio 

para proporcionar alegria e plenitude»


Se queremos ser seguidores de Jesus e colaboradores na difusão da sua boa notícia, não basta ter compaixão pelas pessoas, curá-las ou fazer isto ou aquilo; temos que estar convencidos até ao tutano de que o «vinho» que oferecemos às pessoas é o melhor remédio para curar os seus males e para lhes proporcionar alegria e plenitude de vida.
Trata-se de uma ótima bebida (DOMINGO: «Guardaste o vinho bom até agora»); um vinho novo que não pode ser armazenado em recipientes velhos (SEGUNDA: «Para vinho novo, odres novos»), fechado em fórmulas legalistas (TERÇA: «O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado») ou guardado em corações duros (QUARTA: «Entristecido com a dureza dos seus corações»).
O vinho de Jesus cura as feridas das pessoas (QUINTA: «Todos os que sofriam de algum padecimento corriam para Ele»), liberta dos demónios (SEXTA: «Expulsarão os demónios em meu nome») e dá, com tudo isso, sinais evidentes da presença do Reino de Deus (SÁBADO: «Está perto de vós o reino de Deus»).
O resto é apenas religião.

Esta semana convida-nos a rever em que odres (com que instrumentos) levaremos o nosso vinho às pessoas. Porque até para os mais «liberais» é difícil libertar-se de uma tradição (religiosa) clericalizada ou renunciar a modelos cómodos mas já caducos e incapazes de continuar a dar vida hoje.


© José Luis CortésEl ciclo C, Herder Editorial 
© tradução e adaptação de Laboratório da fé



Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 20.1.13 | Sem comentários
Categorias: ,
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários