— palavra para domingo, dia da família de nazaré — 30 de dezembro —


— Evangelho segundo Lucas 2, 41-52

Os pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém, pela festa da Páscoa. Quando Ele fez doze anos, subiram até lá, como era costume nessa festa. Quando eles regressavam, passados os dias festivos, o Menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que seus pais o soubessem. Julgando que Ele vinha na caravana, fizeram um dia de viagem e começaram a procurá-l’O entre os parentes e conhecidos. Não O encontrando, voltaram a Jerusalém, à sua procura. Passados três dias, encontraram-n’O no templo, sentado no meio dos doutores, a ouvi-los e a fazer-lhes perguntas. Todos aqueles que O ouviam estavam surpreendidos com a sua inteligência e as suas respostas. Quando viram Jesus, seus pais ficaram admirados; e sua Mãe disse-Lhe: «Filho, porque procedeste assim connosco? Teu pai e eu andávamos aflitos à tua procura». Jesus respondeu-lhes: «Porque Me procuráveis? Não sabíeis que Eu devia estar na casa de meu Pai?». Mas eles não entenderam as palavras que Jesus lhes disse. Jesus desceu então com eles para Nazaré e era-lhes submisso. Sua Mãe guardava todos estes acontecimentos em seu coração. E Jesus ia crescendo em sabedoria, em estatura e em graça, diante de Deus e dos homens.

— Jesus ia crescendo em sabedoria, em estatura e em graça

Em tempo de Natal, a Igreja convida-nos a dedicar um domingo à celebração da família (humana) de Jesus. Esta festa foi instituída pelo Papa Leão XIII, em 1893, no domingo a seguir ao dia seis de janeiro. Com a reforma litúrgica do II Concílio do Vaticano, esta festa foi transferida para o domingo entre o Natal e o Ano Novo. O mais importante não é elogiarmos a vida da família de Nazaré, pois pouco ou nada se sabe a partir dos evangelhos. O que mais importa é percebermos que Jesus nasce numa família como todas as outras. Deus quis realizar a sua Encarnação através do nascimento de Jesus dentro de família simples de Nazaré. 
O relato evangélico é muito rico em ensinamentos teológicos. Trata-se de um episódio que nos ajuda a perceber que Jesus Cristo começa a tomar contacto com a realidade a partir da sua própria perspetiva. É bom recordar que aos doze anos começava a vida adulta. A maioria dos rapazes e raparigas casavam com essa idade, num tempo em aos quarenta anos já se era «velho». 
A família é o primeiro campo de treino para todo o ser humano. Nascemos como um projeto que se vai desenvolvendo ao longo de toda a vida com a ajuda dos outros; primeiro a família e depois, à medida que vamos crescendo, com a ajuda de outras pessoas e instituições. 
Entre os diferentes aspetos que podemos assinalar na relação familiar é oportuno ressaltar, neste Ano da Fé, a condição da família como instrumento para a transmissão da fé. A melhor pedagogia é a do exemplo, tal como acontece com Jesus que vive aquilo que ensina e ensina aquilo que vive. Os laços de sangue ou do amor natural têm de ser o ponto de apoio para aprender a sair de nós mesmos e a aprender a dedicar a vida aos outros com a nossa capacidade de entrega e de serviço. 
As relações familiares saudáveis são aquelas que nos ensinam a deixar o nosso egoísmo e a cultivarmos a doação da vida pelos outros. Antes de grandes discursos sobre Deus, talvez seja necessário deixar que Deus se torne presente através da nossa maneira de viver, a começar pelo ambiente familiar. O que chamamos de «transmissão da fé» não se faz com sermões ou doutrinas, mas com uma vida de amor, com uma vida ao estilo de Jesus.
Neste Ano da Fé, tens crescido e amadurecido na confiança em Deus? O evangelho termina com outra indicação importante: «Jesus ia crescendo em sabedoria, em estatura e em graça». Eis a meta para todo o ser humano. Um projeto que se realiza ao longo de toda a vida. Por isso, sem descuidar os outros aspetos, neste Ano da Fé, seria bom que todos (avós, pais, filhos) pudéssemos ter tempo para crescer e amadurecer na confiança em Deus!

Postado por Marcelino Paulo Ferreira | 30.12.12 | Sem comentários
Categorias: , ,
0 comentários:
Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  • Recentes
  • Arquivo
  • Comentários